publicado em O Dia
Ao contrário do que muita gente pensa, evangélicos sabem muito bem curtir a vida a dois quando o assunto é sexo. Sex shops cristãos estão surgindo em todo o mundo, e o Brasil já tratou de inventar o seu. Fantasias, jogos eróticos, algemas e massageadores são alguns dos apetrechos usados pelos fiéis na hora de animar o casamento. E pela Internet eles sentem menos vergonha de comprar seus acessórios preferidos.
Para o casal cristão Hugo e Lorena Brandão, de 28 e 27 anos, juntos há cinco e pais de
bebê de 1 ano, usar brinquedinhos não é pecado | Foto: Alexandre Brum / Agência O Dia

O idealizador do site brasileiro SexshopGospel, Maicon Santos, um solteiro de 30 anos, conta que se inspirou em páginas americanas para criar a versão tupiniquim. “A ideia surgiu ao ler livros evangélicos sobre sexo, divórcios e casamentos nas igrejas. Percebi a falta de ‘atrativos’ para ajudar na manutenção do relacionamento. Após pesquisas, descobri que já existem sites no exterior e adotei a ideia”, explicou o mineiro, que mora há 10 anos no Rio.
Maicon conta que o diferencial da sua empreitada está na venda de produtos para casais e produtos sensuais ‘leves’. “Não temos artigos sadomasoquistas, anais, nem homossexuais. O site já está no ar há um ano e vende bem”, anuncia Maicon, que é evangélico mas não frequenta a igreja. Entre os produtos mais vendidos no site estão vibradores, massageadores, bolinhas excitantes, fantasias e lubrificantes. Sobre as críticas, ele rebate: “São naturais do homem, até Cristo foi criticado.”
Para o casal cristão Hugo e Lorena Brandão, de 28 e 27 anos, juntos há cinco e pais de bebê de um ano, usar brinquedinhos não é pecado. “Tudo vale a pena com moderação. Fantasias, gel e algemas deixam o relacionamento renovado, surpreendem o parceiro”, acredita Hugo, que só não vê revistas ou vídeos pornográficos porque quer “sempre manter a esposa como foco principal do desejo”.
O pastor Daniel Lopes, da Assembleia de Deus de Rocha Miranda, encara com naturalidade a novidade, mas diz que ainda há limites. “Não vejo problema de casais casados comprarem artigos de sex shops, contanto que os dois concordem”, explica o pastor, casado há mais de 20 anos.

Tema não deve ser tabu, diz pastor
Para o pastor Daniel, o tema ainda é tabu por causa de pensamentos atrasados. “Existem muitas pessoas retrógradas, que não leem a Bíblia. O livro de Cantares mostra como deve ser uma vida a dois. O mais importante é que haja amor, compreensão, diálogo, sinceridade e respeito entre o casal. Não existe casamento perfeito, mas existe casamento feliz”, esclarece o religiosos, que libera jogos, óleos e uma lingerie especial para apimentar a relação.
A agente de viagens Aline Suzano e o militar André Sanches, ambos de 31 anos, são casados há três anos e não dispensam novidades que agitem a rotina. “Já usei óleos, balas, roupas, bolinhas. Só nunca usei vibrador porque acho muito estranho e acaba estimulando um sexo egoísta”, pondera Aline, que espera ver as igrejas tratarem o tema com mais abertura: “Nas reuniões de jovens que estão se preparando para se casar o assunto deve ser discutido”.
SITES GRINGOS
MY BELOVED’S GARDEN
“Yes even christians have sex” (Sim, até cristãos fazem sexo), é o que diz a página inicial deste site americano Mybelovedsgarden.net.
INTIMACY OF EDEN
Considerado o melhor deles, não vende “produtos ofensivos”, como pornografia explícita.
BOOK22
Primeiro site do gênero (www.covenantspice.com), o casal que fundou cansou de procurar turbinar a vida sexual e só encontrar pornografia. O item mais vendido é um vibrador rosa.