Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

sexta-feira, 25 de março de 2011

Jesus não falava em "Pára-bola"?

Imagem: Blog da Valdivania
No começo da minha fé, em uma das igrejas mais repressoras no tocante aos usos e costumes,  me pegava sendo questionado e questionando a mim mesmo: "Crente pode jogar bola?" ou "Crente pode comer galinha à cabidela?", "Crente pode beber?", "...usar bermuda", "...banho de mar", "...usar sunga", "...comer comida de milho no São João", a lista era grande.... Não sei como consegui manter minha fé diante de tantas proibições e dos alertas de que poderíamos nos esconder dos homens, mas não de Deus. Só a graça, literalmente falando, de Deus para nos manter a fé.

Resolvi eu mesmo ir em busca das respostas para a maioria destas questões, e minhas próprias dúvidas, por que de fato, eu as tinha e tenho muitas outras, e durante algum tempo não saia de casa sem que estivesse bem composto numa calça de brim, sob a pena de não ser cumprimentado por algum "irmão". E o futebol, apesar de não simpatizar comigo, Jesus não falava em "Pára-bola"? Como eu então poderia jogar futebol? questionavam alguns... outros completavam com uma voz trêmula pela unção: "Corra atrás da coroa da viiiiiida". Pelamordedeus, isso era uma questão de português e não de fé, muitos irmãos esqueciam do sexto mandamento, #NãoMatarás, inclusive a língua portuguesa, mas tudo bem, não os condeno.

Sobre estas questões, Paulo [apóstolo de fato e de direito], ah! Paulo, chama atenção dos irmãos em Roma que debatiam sobre questões tão secundárias quanto estas que citei , e fizeram parte da construção da minha fé e do meu parco conhecimento sobre Deus. Ele diz: "Um crê que pode comer de tudo; já outro, cuja fé é fraca, come apenas alimentos vegetais. Aquele que come de tudo não deve desprezar o que não come, e aquele que não come de tudo não deve condenar aquele que come, pois Deus o aceitou.". O comer ou beber, diz ele, está na consciência de cada um ,como também , guardar um dia ou outro como sendo o dia sagrado para o SENHOR. Seja o que você fizer, quer comas, quer bebas faça tudo para que o nome de Deus seja honrado com sua atitude. Será que inclui o Pole Dance???? #duvida.



O interessante de toda esta história não está concentrada nos verbos fazer, comer ou beber, mas no verbo amar. A atenção deve ser concentrada não no que o outro faz,  desta forma nos concentramos num outro verbo, julgar. O mandamento que se resume toda a Lei, "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo". Nossas atitudes não devem nos afastar de Deus, nem os outros, mas aproximar, pois foi com esta intenção que o próprio Paulo afirma que recebemos da parte de Deus o ministério da reconciliação, assim o que devemos fazer é buscar o conhecimento pessoal de Deus e compartilha-lo.

 Não podemos ignorar a essência altruísta do evangelho, não, não podemos. Se eu penso apenas nos meus próprios interesses e desejos, o altruísmo deu lugar ao egoísmo, e o egoísmo não é o evangelho da graça. Da mesma forma como Deus renunciou a si mesmo por nós, por sua igreja, abrindo mão da sua soberania, pelo exercício do seu amor, construindo os caminhos que deveríamos seguir. Somos constrangidos a fazer o mesmo. O forte, diz Paulo, não é o que faz o que lhe dá na telha, independente do que os outros afirmaram dele, mas o que abre mão voluntariamente para que o mais fraco compreenda a razão da fé.

A questão não está em compactuarmos com as fragilidades alheias, nem fazer uso obscuro dessas fragilidades, nem tão pouco confrontá-las com desdem fazendo com que o amor seja sufocado e entristecido no coração dos demais. Mas, precisamos compreender os estágios do conhecimento que cada um tem sobre Deus e sua revelação.
"Cada um de nós deve agradar ao seu próximo para o bem dele, a fim de edificá-lo" Romanos 15.2
A graça deve nos aproximar, tenho saudosa lembrança dos meus irmão que assassinaram a língua portuguesa, mas não mataram a fé, não mataram Deus em seus coração, e mesmo que por ignorância, falta de conhecimento, está é a verdade que constato: Deus, em sua essência, se revela aos pequenos, aos humildes e se esconde dos soberbos.


Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails