Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Um cristão pode praticar MMA? Pastores e teólogos debatem sobre o tema

Mesmo sem ter um versículo bíblico proibindo a prática, a maioria condena, dizendo que o vale-tudo não condiz com os princípios do cristianismo 
                                                                                             
http://noticias.gospelprime.com.br/files/2011/08/anderson-silva-vitor-belfort-ufc-272x155.jpg
Um cristão pode praticar MMA?          
Pastores e teólogos debatem sobre o tema
O MMA (Artes marciais mistas) é hoje uma das modalidades esportivas que mais cresce no mundo e também no Brasil, que por sinal possui os melhores lutadores do esporte. Com o crescimento do MMA, também vieram as criticas a modalidade, que chegou a ser banida de alguns estados nos EUA por ser muito violenta. No final de semana passado, foi realizado no Brasil o maior evento deste esporte, o UFC Rio que lotou o HSBC Arena e foi um sucesso segundo seus organizadores.

Um dos maiores lutadores do UFC é Vitor Belfort, que na maioria de suas lutas agradece a Deus após vitórias e usa o calção com o nome Jesus escrito. Declaradamente cristão, Belfort explicou em recente entrevista a ligação entre a religião e a luta dizendo que o que ele faz no octógono não é uma briga, e sim uma competição.

Além de Vitor que desta vez apenas comentou as lutas, outro atleta cristão estava no UFC, o estreante capixaba Erick Silva, que a exemplo de Belfort, entrou com o nome Jesus escrito no calção e tem como um de seus apoiadores o Senador evangélico Magno Malta.

Diante desta relação, o portal Gospel Prime procurou pastores e teólogos para saber o que eles pensam deste esporte. Um cristão pode praticar tal esporte? É licito ao crente em Jesus assisti-los?
“Eu não vejo embasamento bíblico favorável, mas também não vejo o contrário”, disse o pastor Ariovaldo Júnior, do Manifesto Missões Urbanas. Ele acredita que a prática hoje é mais esportiva e  ”não tem mais nada a ver com os vale-tudo onde havia graça em esmurrar o outro além das condições humanas”.

Biblicamente falando, Ariovaldo Júnior diz que não há menções que condenem o esporte. “Eu gosto do UFC por celebrar um esporte que ainda não tem influências do feminismo. O feminismo determina tudo hoje em dia, até o nosso modelo de ‘cristão ideal’ está mais pra figura de uma mulher do que pra um homem de verdade. A propósito, lutas de diversos tipos foram contemporâneas de Jesus e de Paulo (que viveu inclusive em Roma), porém não vemos nenhuma recomendação contrária à prática esportiva”, diz o pastor do Ministério Sal da Terra em Uberlândia – MG.

Bispo acusa ateísmo de querer criar uma ‘maldita e ridícula religião’

 via Paulo Lopes

Dom Henrique Soares da Costa (foto), 48, bispo auxiliar de Aracaju (SE), acusou os ativistas do ateísmo de querer “criar uma maldita e ridícula religião secular”.

A intenção, segundo ele, é construir uma “pseudofé” que seja uma “caricatura de Deus e da experiência religiosa, que humilha o homem e frustra sua sede mais profunda e a razão maior de sua dignidade”. Por isso, disse o bispo, “diviniza-se o consumo, o prazer, o próprio eu, o poder”.

Essas críticas estão em artigo onde o bispo condena os protestos contra a recente visita do papa Bento 16 à Espanha.

Cerca de três mil pessoas protestaram por nada. Reclamaram de modo violento, intolerante e irracional do dinheiro público presumivelmente gasto pelo governo espanhol na Jornada Mundial da Juventude. Não houve emprego de dinheiro público; tudo foi pago com o dinheiro das inscrições e doações de empresas”, escreveu.

Pelo noticiário das agências, os manifestantes chegaram a 20 mil, mas essa estimativa foi contestada por setores da Igreja Católica.

Porque a Ética é Importante

por Stephen Kanitz

Download (2)Antigamente, moral e ética eram transmitidas às novas gerações pelas classes dominantes, pela aristocracia, pelos intelectuais, escritores e artistas.

Era uma época em que os nobres eram nobres, exemplos a ser seguidos por todos. 

Hoje, isso mudou. 

Nossas lideranças políticas, acadêmicas e empresariais não são mais "nobres", nem se preocupam em transmitir valores morais às futuras gerações. 

Nossa televisão só pensa em lucro, seus donos não têm nenhuma preocupação em ser respeitados pelos seus pares. 

Não existe mais o noblesse oblige, a obrigação dos nobres, como antigamente.

Poetas brasileiros até enaltecem os nossos "heróis sem caráter". 

Hoje, quem quiser adquirir valores morais e éticos neste mundo "moderno" terá de aprender as regras sozinho.

Portanto, para não perder mais tempo, vamos começar com a primeira lição.
Vou mostrar a importância de criar um código de ética com um exemplo real. Um estudo de caso.
Vou romancear os personagens para os proteger, mas a história é verdadeira.
Um amigo de infância, o Zeca, casou-se com a garota mais linda de nossa turma. 
Que para piorar a situação tinha uma irmã mais nova e ainda mais bonita de 16 anos.

sábado, 27 de agosto de 2011

Cantora Rosana se converte e lança versão gospel de “Como uma deusa”

A cantora Rosana, que fez sucesso na década de 80 ao som de seu estilo “brega” romântico se converteu e hoje frequenta uma Igreja Batista da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Uma das mais cantaroladas e conhecidas canções de Rosana até hoje, a versão ’Amor e Poder’ de ‘The power of love’, foi alterada para uma versão gospel feita pela própria cantora.


Agora a musica da cantora é outra, no lugar da frase “como uma deusa…”, a nova letra encorpada na melodia diz “com o meu Deus, eu vou além…”

Já em 2010 a versão “Com o meu Deus” foi regravada pela cantora gospel Claudia Valente em seu álbum ‘Nascer de novo’ e foi disponibilizada no canal youtube, como um vídeo, no qual ela e Rosana interpretam juntas a canção.
No passado a cantora ficou conhecida com a música ’Amor e Poder’ [reprodução]

Católicos contestam estudo que indica queda do catolicismo no Brasil

via NoticiasGospel
Católicos contestam estudo que indica
queda do catolicismo no Brasil
Católicos da cidade de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, contestaram os dados do Novo Mapa das Religiões, elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que aponta queda de 5,36% no número de católicos em seis anos em todo o País e de 3,78% no Estado de São Paulo.

Eles dizem que na cidade o catolicismo continua em alta, sendo a maioria dos munícipes.  Além disso, eles destacam que, mais importante do que a quantidade é a efetiva presença da fé na vida dos mogianos, bem como a grande participação em manifestações como a Festa do Divino Espírito Santo.

O padre Claudionir Braga do Carmo, pároco da Catedral de Santana, analisa esta queda, que se dá, em parte, pela migração para outras religiões. “A Igreja Católica tem mais de 2 mil anos de história, sendo mais de 500 anos no Brasil, que é um País de origem católica. Hoje, contudo, vivemos em um mundo globalizado, que entra em outro contexto religioso, a população está crescendo e existe um autêntico mercado da fé por parte de igrejas pentecostais”, critica.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Vitor Belford explica a relação entre a religião e o MMA


Ele diz que agradece a Deus porque ele vive uma vida coerente com aquilo que ele prega e acredita


O lutador Vitor Belford explicou ao apresentador Rafinha Bastos em um programa sobre MMA no UOL como a religião e a luta podem conviver juntas. Vitor é evangélico e tem mostrado as mudanças de sua conversão dentro e fora dos ringues.

Para o porta-voz da UFC (Ultimate Fighting Championship) no Brasil, não há motivos para deixar de agradecer à Deus após nocautear um adversário já que ali estão dois atletas e não duas pessoas comuns brigando.

Vitor deixa claro que para ele a luta sempre foi um esporte e ele sempre respeitou as regras e respeitou seus oponentes. Ele conta que começou a praticar esportes com 4 anos de idade e que a primeira coisa que se aprende é o respeito físico e moral.

Sexta de Pensamentos (26/08/2011)

"Em um banquete deve-se comer sabiamente mas não tão bem, e conversar bem mas não tão sabiamente." - W. Somerset Maugham

"O maior valor da vida não é o que você obtém. O maior valor da vida é o que você se torna." - Jim Rohn

"A pessoa mais fácil de enganar é a si próprio." - Edward Bulwer Lytton

"O silêncio é um dos argumentos mais difíceis de se rebater." - Josh Billings

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Curtindo as Crianças

do blog de Stephen Kanitz

Images (25)Você é aquilo que você mais valoriza na vida. Você é aquilo pelo qual está disposto a morrer.” John Dewey

Uma das fotos que me marcou na vida foi a de uma mãe palestina cobrindo com o próprio corpo o filho para protegê-lo no meio de um tiroteio.

A frase de John Dewey mostra claramente o que aquela mulher valorizava.

Há quem esteja disposto a morrer por uma causa nobre, por uma religião, por uma ideologia, pela empresa, pela profissão, mesmo que isto seja em detrimento de seus próprios filhos.

Colocar outros em primeiro lugar, a sociedade, o Estado, os outros antes da família, não é exatamente um comportamento responsável, como tantas vezes ouvimos falar.

Não pense o que os Estados Unidos possa fazer por você, mas o que você possa fazer pelos Estados Unidos.”

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O novo retrato da fé no Brasil

por  Rodrigo Cardoso, publicado originalmente na ISTO É Independente

Pesquisas indicam o aumento da migração religiosa entre os brasileiros, o surgimento dos evangélicos não praticantes e o crescimento dos adeptos ao islã


img.jpg 

Acaba de nascer no País uma nova categoria religiosa, a dos evangélicos não praticantes. São os fiéis que creem, mas não pertencem a nenhuma denominação. O surgimento dela já era aguardado, uma vez que os católicos, ainda maioria, perdem espaço a cada ano para o conglomerado formado por protestantes históricos, pentecostais e neopentecostais. Sendo assim, é cada vez maior o número de brasileiros que nascem em berço evangélico – e, como muitos católicos, não praticam sua fé. Dados da Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelaram, na semana passada, que evangélicos de origem que não mantêm vínculos com a crença saltaram, em seis anos, de insignificantes 0,7% para 2,9%. Em números absolutos, são quatro milhões de brasileiros a mais nessa condição. Essa é uma das constatações que estatísticos e pesquisadores estão produzindo recentemente, às quais ISTOÉ teve acesso, formando um novo panorama religioso no País.

Isso só é possível porque o universo espiritual está tomado por gente que constrói a sua fé sem seguir a cartilha de uma denominação. Se outrora o padre ou o pastor produziam sentido à vida das pessoas de muitas comunidades, atualmente celebridades, empresários e esportistas, só para citar três exemplos, dividem esse espaço com essas lideranças. Assim, muitas vezes, os fiéis interpretam a sua trajetória e o mundo que os cerca de uma maneira pessoal, sem se valer da orientação religiosa. Esse fenômeno, conhecido como secularização, revelou o enfraquecimento da transmissão das tradições, implicou a proliferação de igrejas e fez nascer a migração religiosa, uma prática presente até mesmo entre os que se dizem sem religião (ateus, agnósticos e os que creem em algo, mas não participam de nenhum grupo religioso). É muito provável, portanto, que os evangélicos pesquisados pelo IBGE que se disseram desvinculados da sua instituição estejam, como muitos brasileiros, experimentando outras crenças.

O que você não está preparado para ouvir

Paulo Brabo

De tudo que não sinto falta na experiência do cristianismo institucional (e a lista só tende a aumentar) há três ou quatro coisas cuja mera lembrança me leva o estômago a recuar em sincera repulsa. Tanto depois, hesito mesmo mencioná-las.

Aqui está uma: estar numa sala com um ou mais líderes, conversando livremente sobre qualquer assunto, até que alguém interrompe uma pausa com um suspiro e uma observação:
– Mas o povo não está preparado para ouvir isso.
Ou às vezes, com pureza ainda mais declarada de coração:
– Pena que o povo não está preparado para ouvir isso.

Nessa única frase e no silêncio solidário que a acompanhava nos congratulávamos por sermos naquela sala líderes esclarecidos tratando de assuntos controversos que uma parcela dos nossos ouvintes potenciais – dentre eles talvez você, potencialmente imaturo leitor, – não considerávamos pronta para enfrentar. Desejávamos que fosse diferente; queríamos muito que você fosse um cara maduro e que não corresse o risco de desmoronar diante do que teríamos para revelar. Mas a realidade era dura e determinadas coisas sentíamo-nos heroicamente obrigados a calar. Para poupar você.

Testemunhei esta cena tantas vezes, em tantos contextos com tantos protagonistas diferentes, que tenho de concluir que pelo menos metade dos líderes e pastores de todos os matizes (e isso para mencionar só a porção evangélica do cristianismo) propaga e endossa publicamente uma versão menos controversa da sua crença do que aquela que realmente abraça, e escondem essa falsidade ideológica por trás da conveniente piedade de estarem protegendo da confusão e da apostasia a porção mais despreparada (e, supõe-se, mais numerosa) do seu rebanho.

Naturalmente ninguém é obrigado a propagar aos quatro ventos aquilo em que realmente crê; eu mesmo deixei de fazer isso há muito tempo. Mas esses são caras que fizeram de propagar a sua fé a sua vocação e o seu modo de vida; são sujeitos que afirmam que o destino de cada um, inclusive o deles mesmos, depende de se abraçar e de se professar de modo sincero e consistente aquilo em que se crê. E o meu testemunho é este: grande parte desses caras (talvez a maioria) sonega da sua pregação pública aquilo em que realmente acredita. Alegam estar protegendo os mais fracos da controvérsia e da perplexidade, mas nisso protegem apenas a si mesmos. Porque, graças a Deus, o povo não está preparado para ouvir, então ninguém deve dizer.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Igreja funciona dentro de boate na rua Augusta

via Pavablog
 

Rua Augusta, 486. Às 3h de um sábado, dezenas de pessoas se aglomeram em frente ao Clube Outs, uma das muitas casas noturnas da região. Para entrar, é preciso enfrentar seguranças engravatados e desembolsar R$ 20. Lá dentro, flanelados, tatuados e emos dançam hits da música pop dos anos 1980 e 90.

No dia seguinte, por volta das 18h, a casa continua a mil. Mas as portas estão abertas a qualquer um. Sob a luz de holofotes, uma banda anima um público jovem. Num telão, letras de músicas sobre louvor e compaixão. No bar, as garrafas de Smirnoff e Heineken permanecem intocadas.

O show termina, e Junior Souza, 37, surge. Veste uma camiseta preta estampada com o símbolo matemático que representa o “diferente”, tem o antebraço tatuado e brinco na orelha.
Dá alguns avisos, indica o lugar onde fica a caixinha de contribuições e anuncia pelo microfone: “Agora a gente vai fazer um intervalo e já continua o culto, beleza?”.
A pausa serve para que os fiéis da Capital Augusta possam trocar ideias. A Capital, como os habitués a ela se referem, é uma igreja protestante, fundada em 2009 pelo pastor Junior. O grupo inicial era formado por músicos, designers e gente que “já vivia a vida da Augusta”, segundo o pastor, que é professor de inglês e dá aulas na Faculdade Teológica Metodista Livre.

Líder de igreja gay de São Paulo diz que beber e fumar não é pecado e diz que sexo só depois do casamento é hipocrisia

vi no Gospel+
 
Líder de igreja gay de São Paulo diz que beber e fumar não é pecado e diz que sexo só depois do casamento é hipocrisiaA Igreja da Comunidade Metropolitana, uma das igrejas inclusivas no Brasil, comemora no próximo dia 20/8 uma década no território nacional e em uma entrevista ao site Mix Brasil o responsável pela denominação aqui no país, o reverendo Cristiano Valério fala a respeito de suas crenças e forma de interpretação da Bíblia e segundo ele do olhar fundamentalista dos cristãos tradicionais sob a mesma.
Cristiano Valério diz que a ICM tem como “missão” fazer frente a toda forma de opressão religiosa, social, qualquer forma de preconceito e conta que a ICM é uma das poucas organizações religiosas no mundo que é dirigida por uma mulher atualmente, a reverenda Nancy Wilson é a moderadora mundial da igreja já há alguns anos, depois da aposentadoria do reverendo Troy, que foi o fundador da comunidade inclusiva.
Ele diz que as igrejas evangélicas costumam reproduzir um discurso religioso evangélico do Brasil, e que pelo contrário, a igreja inclusiva repudia o discurso a este e que costumam até evitar alguns termos que são surrados por seus irmãos evangélicos. Referente ao posicionamento de relacionamento com as igrejas não-inclusivas, há uma tentativa de olhar para estes como irmãos e irmãs, ainda estes segundo ele sendo equivocados e limitados, buscando ver que eles também sãos filhos de Deus como qualquer um outro, ressaltando que mesmo que estes nãos os tratem assim.

Em São Paulo, escolas optam por valorizar história em aulas de religião

Noticias Gospel Brasil - Em São Paulo, escolas optam por valorizar história em aulas de religião  WIDTH=

Quinta-feira, às 16h40, é hora da aula de ensino religioso em uma das quatro turmas do 9º ano da Escola Estadual Doutor Alberto Cardoso de Mello Neto, na região norte da capital paulista. A escola é uma das poucas do estado que oferecem a disciplina aos seus alunos do último ano do ensino fundamental.

A professora Miriam de Oliveira é a responsável pela aula. Historiadora e psicóloga, ela trabalha no colégio há oito anos. Há três, dá aulas do que prefere chamar de "história das religiões". Na primeira quinta-feira do mês de agosto (4), Miriam falou para cerca de 30 alunos sobre o cristianismo.

"Por volta do ano 300, o Império Romano adotou o cristianismo como sua religião oficial", explicou aos alunos. "A partir daí, a religião se espalhou por outros cantos do mundo e acabou chegando ao Brasil, com os jesuítas. Hoje, quase todo mundo é cristão aqui no nosso país."

O foco na história foi a solução encontrada por São Paulo para que as lições de ensino religioso constassem dos currículos da rede pública sem privilegiar qualquer crença, conforme determina a Constituição Federal. Apesar de só os alunos do 9o ano terem aulas específicas sobre religião - isso quando há demanda dos pais -, todas as escolas estaduais trabalham o conteúdo de forma transversal, em outras disciplinas. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, prevalece o aspecto histórico.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O Brasil urbano

publicado originalmente na Ultimato
 
 É comum se aceitar que o processo de aceleração da urbanização no Brasil se deu a partir de 1950, pois ela só começou quando a indústria se tornou o setor mais importante da economia nacional. A passagem de uma economia agrário-exportadora para uma economia urbano-industrial ocorreu no século 20 e intensificou-se a partir de 1950. Iniciou-se, assim, o processo de “metropolização”, que diz respeito à concentração demográfica nas principais áreas metropolitanas do país. Graças a ele, o Brasil é hoje majoritariamente urbano, como comprovam os números do censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Quando se compara o censo de 2000 com o de 2010, chamam a atenção o aumento de 20.933.524 do total da população brasileira (cerca de 2 milhões por ano nos últimos 10 anos) e a diminuição de 1.999.225 habitantes das áreas rurais.

Para chegar a esses números o IBGE percorreu todo o território nacional (cerca de 8 milhões de quilômetros quadrados). A tarefa que envolveu 5.565 municípios, aproximadamente 58 milhões de domicílios e 314.018 setores censitários.1

Proponho algumas reflexões a partir dos dados.

Prestes a sair da Band por baixa audiência, RR Soares diz que ibope é coisa do "capeta"



Depois de várias tentativas sem sucesso, a Band parece agora estar perto de tirar o "Show da Fé", do Missionário RR Soares, de seu horário nobre.

Baseada na baixa audiência que o religioso agrega ao horário (21h), o que acaba derrubando a média dos programas seguintes, a Band estaria disposta a não renovar o contrato de RR pela locação do horário, que vence em dezembro. O que pesa é o financeiro. O "Show da Fé" paga cerca de R$ 4 milhões mensais à Band pela faixa nobre.

Em muitos dias o ibope da Band, que segue na faixa dos 3 pontos às 20h30, cai para traço com o início do "Show da Fé", média que depois demora a ser recuperada.

Sexta de Pensamentos (19/08/2011)

"Não se deve julgar um homem pelas suas qualidades, mas sim pelo uso que faz delas." - La Rochefoucauld

"A poucos homens é dado o dom de retificar os erros que cometem." - Maquiavel
"Em um coração cheio há espaço para tudo, e em um coração vazio não há espaço para nada." - Antonio Porchia
""As pessoas são diferentes, agem diferente e pensam diferente. Prefira tentar compreender à julgar!” Florestan Fernandes

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Homem invade missa, toma microfone e chama padre de "boneca"

publicado originalmente no UOL Tudonahora

A comunidade de pescadores de Barra Nova, no litoral sul de Alagoas, está inconformada. Há dois meses, a Igreja de São Pedro está fechada e não há previsão de retomada das missas.

http://tudonahora.uol.com.br/thumb.php?src=http://s3.tudonahora.com.br/uploads/images/2011/08/b935d0f54b0913d3cecad868ac805c0ca0e1d6ed.jpg&w=261&h=196
Igreja de São Pedro estrá fechada há dois meses

A paróquia ficou órfã de padre após uma confusão ocorrida durante uma missa às vésperas do padroeiro da comunidade, São Pedro, no final de junho. Estavam todos assistindo a celebração do padre Raul, que visitava a igreja, quando um homem invadiu o local, tomou o microfone das mãos do religioso durante o sermão e desferiu todo o tipo de acusação e ofensas sem se dar conta de que falava com o padre errado.

O militar da reserva Cícero Costa, pivô da confusão, queria brigar com o padre Marcos, que, até então, era o responsável pela paróquia da Barra Nova.

Quem estava presente ficou estarrecido com a fúria do militar, que também é conhecido com Ciçou. “Achei que ele pegou o microfone para fazer uma homenagem e não para ofender o padre visitante. Ele chegou a dizer que sustentava o padre dando 150 reais por mês e, por isso, ele tinha que fazer uma festa de São Pedro”, conta a professora Graciete da Silva.

Efeitos da COCAINA, CRACK, OXI

Efeitos da COCAINA, CRACK, OXI em norte-americanos.
Acredite, a droga não escolhe nacionalidade e os efeitos são devastadores. Ela pode estar mais próximo de você do que imagina.




Professora argentina apela por 'morte digna' da filha de dois anos

publicado originalmente no UOL Notícias
    Professora argentina apela por 'morte digna' da filha Camila, de dois anos
    Professora argentina apela por 'morte digna' da filha Camila, de dois anos
A professora argentina Selva Herbón, 37,  fez um apelo para que sua filha de dois anos, em estado vegetativo desde que nasceu, possa ter uma "morte digna". A filha Camila ficou um período sem receber oxigênio durante o parto, o que pode ter provocado danos cerebrais, e está em um estado vegetativo permanente desde então. 

A professora enviou uma carta na semana passada aos deputados do país pedindo a aprovação de projeto de lei que permita "a morte digna" de Camila. Herbón escreveu que a situação da menina é "irrecuperável e irreversível", mas que existe um "vazio legal" na legislação atual que impede a retirada dos aparelhos que a mantém viva. 

Na carta, a mãe diz ainda que especialistas de quatro lugares deram parecer favorável a "limitar o esforço terapêutico e retirar o suporte vital" da criança. Ela diz, porém, que nenhum médico quer se arriscar a desligar os aparelhos, já que o fato, com as leis atuais, seria definido como "homicídio".
Selva e seu marido, Carlos, são pais também de uma menina de 8 anos, saudável. "Na minha condição de mãe, eu lhes suplico, a partir do meu caso e de muitos outros, que seja aberto o debate (no Parlamento)", afirmou na carta.

Sem visitas
Em entrevista à BBC Brasil, a professora disse ter certeza de que a "morte digna" é o melhor para Camila. "Na minha concepção de mãe, ela não tem vida digna. Camila não vê, não escuta, não chora, não sorri. Eu e meu marido não queremos que ela tenha uma vida mantida de modo artificial", disse.

A religião foi minha terapia, diz última resgatada do 11 de Setembro


Veja a matéria completa no IG

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Strippers mantêm protesto em frente de igreja nos EUA



Strippers de um clube de Warsaw, a quase 100 quilômetros de Columbus, no estado de Ohio (EUA), continuam protestando aos domingos em frente a uma igreja local, porque os membros da congregação costumam fazer o mesmo em frente ao clube onde trabalham.

Strippers Elizabeth Smith (à esquerda) e Brittany Johnson participam do protesto.
Strippers Elizabeth Smith (à esquerda) e Brittany Johnson participam do protesto. (Foto: Jay LaPrete/AP)

Virou show o Culto e Marketing o milagre



Creio que o abrir de muitas igrejas não está ligado necessariamente a exposição e aceitação do Evangelho, assim como abrir mais mercados não significa que as pessoas estão comendo mais. Ainda existe muita fome, tanto de comida quanto de Evangelho. O quê mais vemos é uma instrumentação errada do Evangelho para criar adeptos ideológicos de denominações.

Dizemos que somos filhos da “tradição protestante”, sem contudo nenhum protesto, nem tradição. Aceitamos todo tipo de “baboseira gospel” em nome de quem quer que seja, e depois assumimos a irresponsabilidade de alguns como sendo de todos. Não respeitamos  nem a história, nem o contexto, criamos “novas revelações” por demanda de crescimento numérico, e a igreja vai caminhando a passos largos para o estranhamento social e a diferença teológica de uma para outra igreja local. É por isso temos um “corpo de Cristo” todo fragmentado, esquartejado e dilacerado pelas diferenças pessoais e teológicas. É literalmente cada um por si…e Deus? Bem Ele é por todos, né!

Pastor do Irã ainda aguarda decisão sobre sua execução

 
  Pastor Yousef Nadarkhani
IRÃ (2º) - Um pastor no Irã, considerado culpado de abandonar o Islã, aguarda o resultado de uma investigação judicial sobre sua experiência espiritual para ver se será executado ou, se possível, forçado a se tornar muçulmano.

A investigação judicial tem como objetivo verificar se o pastor Yousef Nadarkhani, 34 anos, era muçulmano quando adolescente, antes de se tornar cristão, aos 19 anos.

Em 22 de setembro de 2010, um tribunal regional condenou Nadarkhani, que lidera um movimento de igrejas domésticas em Rasht, à morte por enforcamento, por se converter ao cristianismo e encorajar muçulmanos a se converter ao cristianismo. O advogado do pastor recorreu da sentença, afirmando que o pastor nunca foi muçulmano.

O tribunal emitiu uma resposta escrita ao recurso e manteve a pena de morte, mas ordenou que houvesse uma investigação sobre o assunto. Mesmo que o tribunal o libere da acusação de apostasia, é provável que exista uma grande punição pela evangelização, disseram as fontes.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Um convite à Doce Revolução... Vem e vê!

Caio Fábio

Artigo 1 –
Fica decretado que agora não há mais nenhuma condenação para quem está em Jesus, pois, o Espírito da Vida em Cristo, livra o homem de toda culpa para sempre.

Artigo 2 – Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive os Sábados e Domingos, carregam consigo o amanhecer do Dia Chamado Hoje, por isso qualquer homem terá sempre mais valor que as obrigações de qualquer religião.

Artigo 3 – Fica decretado que a partir deste momento haverá videiras, e que seus vinhos podem ser bebidos; olivais, e que com seus azeites todos podem ser ungidos; mangueiras e mangas de todos os tipos, e que com elas todo homem pode se lambuzar.

Parágrafo do Momento: Todas as flores serão de esperança; pois que todas as cores, inclusive o preto, serão cores de esperança ante o olhar de quem souber apreciar. Nenhuma cor simbolizará mais o bem ou o mal, mas apenas seu próprio tom, pois, o que daí passar estará sempre no olhar de quem vê.

Artigo 4 – Fica decretado que o homem não julgará mais o homem, e que cada um respeitará seu próximo como o Rio Negro respeita suas diferenças com o Solimões, visto que com ele se encontra para correrem juntos o mesmo curso até o encontro com o Mar.

Candidata adventista desiste de reality show da Record por causa da sua religião


http://www.pavablog.com/wp-content/uploads/2011/08/wasthi1.jpg 

Texto de Mauricio Stycer publicado originalmente na Folha.com
Vi no Pavablog 

Comandado pela ex-modelo Ana Hickmann, o programa “Tudo É Possível” estreou um reality show neste domingo cuja maior novidade anunciada pela Record era o fato de se passar dentro da casa da própria apresentadora.

As dez mulheres confinadas numa mansão de Hickmann em Itu vão disputar uma série de provas com o objetivo de escolher uma delas para ser repórter do programa.

A novidade do quadro acabou sendo outra. Uma das candidatas selecionadas, Wasthí de Castro, de 25 anos, foi levada a desistir depois de dois dias de confinamento. Adventista do Sétimo Dia, ela se disse impedida de participar de uma festa na sexta-feira à noite e de competir numa prova realizada no sábado.

“Eu guardo o sábado”, explicou.  “Sexta à noite eu considero sábado já. Faço atividades diferentes. E festa não é o tipo de atividade que eu faço nesse dia”, explicou.“Respeito totalmente a sua fé”, disse a apresentadora. “Mas aqui no reality fica um pouco complicada esta situação. 

Quando você topou participar já sabia que aqui vocês iam literalmente sair da rotina. Você sabia disso?” Chorando, Wasthi respondeu: “As informações eram poucas. Eu não podia correr o risco de deixar de tentar…” Antes, ao ser apresentada ao público, ela havia dito: “Eu sou capaz de fazer tudo menos passar por cima dos meus princípios, que são mais fortes do que qualquer outra coisa.” Ana abraçou a candidata, disse que aceitava a desistência e elogiou as suas convicções.

Trata-se, enfim, de um caso inédito e delicado, ainda mais por ocorrer numa emissora que pertence a um grupo religioso, a Igreja Universal do Reino de Deus, cujos pastores ocupam o horário da madrugada para fazer proselitismo da própria fé.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Igreja de Willow Creek Não é Anti-gay, Esclarece Pastor

via The Christian Post
http://willowcreek.com/events/leadership/images/biopics/bill_hybels.jpg
Bill Hybels
 “Igreja de Willow Creek não é anti-gay, nem contra ninguém”, disse o pastor fundador da igreja, Bill Hybels nesta quinta-feira 11, falando sobre a decisão repentina da direção da Starbucks (a maior empresa de café do mundo) de cancelar sua palestra na igreja nesta semana.


Jim Mellado (presidente da associação Willow Creek) passou 45minutos em uma conversa muito construtiva com os líderes da Starbucks explicando–lhes em termos que não deixa, que Willow não é anti-gay. Mas, no final do dia eles decidiram que o risco e a desvantagem dos negócios era muito alto para eles”, disse Pastor Bill Hybels no primeiro dia da cúpula de liderança anual de Willow Creek, em South Barrington IIIinois, EUA.

O diretor executivo da Starbucks foi orientado para falar de seu livro, Avante: Como Starsbucks lutou pela sua vida sem perder uma alma, na conferência de líderes, na sexta-feira. Mais de 7.000 pessoas então participando deste ano com um adicional de 65 mil pessoas assistindo a conferência em locais de reuniões em todo os EUA.

Mas, uma petição online pedindo Schultz para denunciar Willow Creek tiveram mais de 700 assinaturas.
Sob a pressão de um grupo ativista homossexual acusando a associação de hospedagem Willow Creek e sua igreja filiada de IIIinois de ter uma postura anti-gay, Schultz cancela seu discurso poucos dias antes as cúpula. No entanto, funcionários da Starbucks não aceitaram o cancelamento da campanha lançada na semana passada em change.org.

Deus mora lá na nossa rua


Quando dona Cora Coralina, a nossa grande poetisa da vida cotidiana, sugeriu ao presidente da República, que instituísse “O Dia nacional do Vizinho”, em nenhum lugar, havia ainda esta iniciativa. Atualmente, existe o “Dia europeu da Vizinhança”, celebrado no final de maio. A Argentina festeja o seu “Dia de los vecinos” no 11 de junho. O Brasil consagra como Dia dos Vizinhos o 20 de agosto, data do aniversário natalício da inesquecível dona Cora. Esta valorização da vizinhança se torna mais importante, em cidades maiores, nas quais edifícios substituem casas. Ali, embora, frequentemente, as pessoas se encontrem no mesmo elevador, muitas vezes, não se conhecem. Não é o mero fato de morar no apartamento ou na casa ao lado, que torna alguém vizinho. A pessoa pode viver durante anos em um lugar, se queixando da agitação, do calor, da poeira ou da insegurança. Outros têm plena consciência destes problemas e lutam para vencê-los, mas, assim mesmo, casam com a rua ou praça onde moram. Quando pessoas da mesma rua ou do mesmo condomínio pressentem em outras, esta relação vital com o lugar em que moram, aí se fortalece uma proximidade de convivência que é a vizinhança. Para ser bem vivida, esta precisa de uma educação para o diálogo e a convivência entre diferentes. Cora Coralina dizia: “Vizinho é mais do que parente, porque é o primeiro a saber das coisas que acontecem na vida da gente”. 

Em tempos anteriores à televisão e aos shoppings, nas cidades do interior, ou em bairros residenciais, toda noite, as pessoas costumavam sentar à porta de casa, para conversar e conviver. Normalmente, a roda de conversa acabava se abrindo também aos vizinhos e vizinhas. Assim, se formavam verdadeiras rodas de discussão, com assuntos como educação de filhos, relacionamentos conjugais e futebol. Hoje, a televisão e a cultura do shopping substituíram estes ritos de convivência, mas não resolvem o problema da solidão dos mais velhos e da futilidade de quem olha o mundo apenas pela janela do consumo descartável. 

Quanto mais educação, mais religião. O argumento favorito dos ateus é falácia!

Cai por terra mais um mito amplamente divulgado pelos ateus, que gostam muito de atrelar religião à falta de qualificação, e ateísmo a uma educação supostamente superior. Recente pesquisa realizada nos Estados Unidos mostra que quanto mais educada for a pessoa, mais propensa ela é em ter uma religião. Confira as conclusões da pesquisa na matéria do ScienceDaily, traduzida por Natasha Romanzoti e publicada no HypeScience:

Educação afeta religião – mas de uma forma mais complexa do que se pensava

O que é mais provável: que quanto mais educada a pessoa for, mais ela questionará suas crenças religiosas, mais ela deixará de ir à igreja e até mesmo um dia abandonará sua fé inteiramente, ou o contrário?

Uma nova pesquisa que analisou uma amostra nacional de milhares de pessoas determinou que a educação influencia, realmente, nas crenças e atividades religiosas dos americanos, mas os efeitos são mais complicados do que o senso comum sugere.

Os resultados mostram que a educação tem realmente um efeito positivo sobre hábitos de ir à igreja, práticas devocionais, ênfase sobre a religião na vida cotidiana e apoio a líderes religiosos para pesar sobre questões políticos dos americanos. Mas não é só isso.

“A educação influencia as estratégias de ação das pessoas, e as estratégias de ação são relevantes para algumas crenças e atividades religiosas, mas não todas”, disse o professor de sociologia e autor do estudo, Philip Schwadel.

“Os efeitos da educação sobre a religião não são simples aumentos ou diminuições. Em muitos aspectos, eles podem variar, com base em como você define a religião”, complementa.

Por exemplo, o estudo descobriu que níveis mais elevados de educação acabam com a visão dos americanos de que a sua religião específica é a “única fé verdadeira”, e que a Bíblia é a palavra literal de Deus.

Sites evangélicos atraem fiéis que buscam cara metade

Tatiane Patron
Agência BOM DIA

Com o objetivo de acabar com a carência e a solidão que sentia, o operador de máquinas Paulo Roberto Batista Monteiro, 29 anos, decidiu ir em busca da sua alma gêmea e utilizou a tecnologia que estava ao seu alcance. O rapaz acessou um site evangélico de relacionamento, procurou um perfil semelhante ao seu e finalmente encontrou a mulher da sua vida, a auxiliar de escritório, Giciane Ferraz, 34.

Em apenas seis meses de namoro, o casamento está marcado para o próximo dia 20. O casal frequenta a igreja evangélica e buscaram o site, primeiramente, pela curiosidade. “Sempre fui tímido e sentia a necessidade de ter alguém ao meu lado”, justifica o noivo.

O primeiro encontro ocorreu em um lugar público, na rodoviária de Campinas, onde a moça mora. "Minha mãe me acompanhou. Senti frio na barriga ao vê-lo pessoalmente”, descreve.

Um dos sites evangélicos de relacionamento mais acessados no Brasil é o Divino Amor. O primeiro portal do segmento foi criado em 2009. “Muitos evangélicos têm a vida voltada para a igreja e no site é possível encontrar cadastrados de outras denominações ou da mesma congregação”, explica a diretora de marketing, Clarissa Assumpção.

domingo, 14 de agosto de 2011

Dá-me mais graça...


/// Bem parecido com este vídeo aqui, não acham???

Apenas um pescador...



/// Um dos grupos que mais cantam o verdadeiro cristianismo

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A vaca bebe leite!!!



/// creia!!!! a palavra tem poder. O.o

Judeu conversando com Deus...

Judeu: Deus?
Deus: Sim!
Judeu: Eu posso lhe perguntar algo?
Deus: Claro, meu filho!
Judeu: O que é um milhão de anos para você?
Deus: Um segundo.
Judeu: E um milhão de dólares?
Deus: Um centavo.
Judeu: Deus, você pode me dar um centavo?
Deus: Espere um segundo...

Sexta de Pensamentos (12/08/2011)


"A tragédia da vida é o que morre dentro do homem enquanto ele vive." - Albert Schweitzer
 
"Felicidade é ter algo o que fazer, ter algo que amar e algo que esperar..." - Aristóteles
 
"Tato é a capacidade de descrever os outros como eles se julgam." - Abraham Lincoln

"Olho por olho... e o mundo acabará cego..."

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Saias evangélicas ou mentes evangélicas

originalmente publicado no Genizah
Bráulia Ribeiro


Estava lendo a VEJA outro dia e descobri que existem fábricas de confecção especializadas em roupas evangélicas. A revista mostrava várias fotos de uma modelo elegante vestida de evangélica. As roupas até que nem eram feias, nem a reportagem claramente pejorativa. Parecia uma matéria factual, sem tendências, que se atinha a mostrar este setor especializado como a descoberta de um novo nicho de mercado…

Uma coisa destas numa revista de circulação nacional deve nos fazer parar para pensar. Resta saber que ferramentas mentais vou usar para pensar. Afinal de contas, pensar não é fácil e definitivamente temos aprender como. Posso pensar com minha mente carnal, com minha crente brasileira, com mente cristã, e mais umas tantas outras, mas vamos focalizar nestas três no momento.

A mente carnal gosta de sucesso, fama, projeção… “-Puxa que bom, estamos na VEJA, isto é sinal que dentro em pouco, quem sabe entraremos em grande estilo nas novelas da Globo, protagonizando romances do tipo dos que acontecem na vida real “evangélica”, fora ou dentro do casamento, não importa, desde que seja da vontade de Deus…” (nesta hora a mente carnal sabiamente substitui a vontade humana pela de Deus, mas tudo bem, já sabemos que ela é carnal mesmo, e sua especialidade é usar subterfúgios religiosos para nos enganar). Já estamos na Caras também, o que combina com a pregação de prosperidade que temos nas nossas igrejas, que benção dentro em breve conquistaremos todos os ricos e famosos do Brasil e nossa renda aumentará em muito..”. E por aí a mente carnal iria, neste território, se felicitando pelo feito, pensando em novos mercados para os crentes, água mole em pedra dura, tanto batemos com nosso estilo evangélico de ser, que finalmente conquistamos espaço…

A mente crente brasileira mais genérica se aproxima um pouco da carnal, infelizmente: “-Ah, bom, estamos na veja sinal de que a sociedade está nos respeitando, e olha só estamos “discipulando” o Brasil numa das coisas que ele mais precisa, na bandalheira são as roupas das mulheres, e com esta conquista de mercado, quem sabe conseguiremos tornar as brasileiras menos sensuais, abaixo a imoralidade, vamos orar contra, e fazer um culto de adoração, porque vestimos o bumbum do Brasil.” É, esta me parece ser a reflexão da mente crente mais comum mas pode ser que hajam algumas variações aqui e ali. Pode haver um grupo que vai se envergonhar, e neste grupo estão os crentes “modernos” que tem como prática cristã o não ter ética no vestir. Mas mostramos o tempo todo que queremos ganhar a moralidade na marra, pensamos que com “nãos-nãos, sai-sais, e quebra-quebras”, vamos mudar as pessoas. Pensamos em moral como algo externo, estabelecemos com mais facilidade o que é a prática cristã do que o que é a ética cristã.

"Somos um", uma mutilação na alma

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRCoWAbtW-TK_Onr2clRthHpky2WH8RRpMhmgMhJuq9i-WQVGQvQw
Foto do blog de Daniel Lucho

Vejo muitos casais cristão se orgulharem em ter um único perfil em redes sociais, compartilharem a mesma conta de e-mail, dividirem a mesma escova de dentes (hunng!). Nas redes, têm aquela fotinha padrão de rostinho colado e identificação tipo "Zé e Maria". Justificativa: "somos um". OK! Me respondam algumas perguntas:

- Vocês nasceram juntos?
- Moraram nos mesmos lugares antes de "serem um"?
- Tiveram e/ou têm os mesmos amigos (r)estritamente?
- Leram os mesmos livros?
- Gostam dos mesmos filmes?
- Pensam do mesmo jeito?

É obvio que são perguntas esdrúxulas, mas se suas respostas foram "SIM" para a maioria das perguntas há uma grande possibilidade que estejam se enganando ou se anulando, jogando parte de sua história, amigos e hábitos que haviam antes do "somos um".

Se suas respostas foram "NÃO", então não faz sentido terem um único perfil nem compartilharem a mesma conta de e-mail, em última instância até aceito a divisão da escova de dentes (hunnnnnnnnngggg!).

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

e-resias (1)



 fonte: GodLess Comics

Não há ateus em panes de avião


,
Texto do Fabenrik publicado no Bule Voador

Nas idas e vindas de buscas para encontrar material para o tumblr, a pérola mais comum, com alguns milhões de quilômetros de vantagem, é aquela que diz ‘não existem ateus em pane de avião’.

Sério gente. Sério. Dois mil anos de estudos teológicos e o melhor que vocês conseguem fazer é repetir ad infinitum uma situação imaginária onde o ateu se borra de medo hipotético? Sério?

A coisa é tão besta que não tem nem como responder. É muito mais uma ameaça do que um argumento. É como se dissessem ‘ai, você diz que é ateu e eu não consigo te convencer com argumentos racionais, mas quando você não estiver fazendo pleno uso das suas faculdades mentais, vai me dar razão’. Ou ‘você se diz vegetariano agora, mas passe uma semana sem comer nada, quero ver se não aceita um belo bife’. Ou ‘ah, você diz que dirige bem? Então beba um litro de uísque e depois tente fazer uma baliza!’.Há algum tempo diziam que não havia ateus em trincheiras. Claro que as pessoas que costumam fazer esse tipo de afirmação não se dão ao trabalho de confirmar se existem mesmo ateus em trincheiras ou não, mas sim, existem (foto acima).

Dá pra imaginar uma situação onde se gravaria um capitão de avião continuando ateu mesmo na iminência de um desastre, mas não iria adiantar de nada. Iriam continuar repetindo a baboseira, sem consultar, sem se informar, sem fazer questão de saber se é verdade.

ETIQUETA DA CAVALARIA


Extraído do Blog de @Carpinejar

Arte de Cínthya Verri


Os homens não confessam suas fraquezas, realmente são discretos em suas lamúrias. Diante da pancadaria verbal da parceira, apanham em silêncio. Têm preguiça de se defender. Resmungam apenas, e se entregam a polir os cascos. Não respondem nem quando cobertos de razão. Esvaziam qualquer xingamento com miados de falsa obediência: “Já vou”, “ok”, “certo”, “desculpa” e “logo faço”.

Se as patroas estão dispostas a comprar briga, eles não emprestam o cartão de crédito. Saem das zonas de conflito, que costumam ser o quarto e a cozinha (não tem sentido brigar na varanda). Procuram os ferrolhos do polícia-ladrão doméstico. Afinal, descobriram que a discussão depende mais do aposento do que da fragilidade de seus envolvidos. Alguns marmanjos se encaminham para a trégua da garagem, outros sujeitos investigam a origem das mesas mancas. Os trabalhos de marcenaria e de mecânica permanecem sendo os favoritos para espairecer.

A verdade é que a turma masculina não sobreviveu à vigilância materna e chegou, exausta, à vida adulta. Porque, na infância e adolescência, nenhuma mãe concedia folga, pedia para ajeitar algo a cada minuto. Arrumar o quarto, então, era uma cobrança implacável. Toda mãe tem alma de governanta, toda criança é vocacionada à camareira.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

A vontade de Deus e os desejos não realizados

Por Paul Freston, na Ultimato

“A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra.”

Essa afirmação — uma das poucas janelas que temos para a vida emocional de Jesus — é feita quando os discípulos voltam da cidade trazendo alimentos. Jesus, que parece estar sob o impacto da conversa com a mulher samaritana, responde: “Uma comida para comer tenho eu, vocês não a conhecem” (Jo 4.32). Um contraste entre o que motivava os discípulos na vida e o que motivava Jesus.

É significativo que não passa pela mente dos discípulos que Jesus poderia ter feito um milagre para se alimentar. Pensam logo na hipótese de alguém ter trazido comida para ele (v. 33). Foi falta de fé por parte deles? Não. Eles sabiam que os milagres não eram feitos a qualquer hora, por um capricho. Não eram usados para satisfazer fins pessoais (a tentação de transformar pedras em pães). Se Jesus não usava seus poderes divinos para satisfazer a si mesmo, por que esperamos que ele o faça para satisfazer a nós? Jesus tinha desejos não-realizados (como a fome, nesse caso); porém, ele dizia: “Não; o propósito da minha vida não é simplesmente satisfazer os meus desejos”.

Podemos ir mais além, pois às vezes os desejos se reintroduzem sutilmente, sob a desculpa de que estamos servindo a Deus. Entretanto, Jesus, com a missão mais importante que alguém já teve, não exigiu perfeitas condições de trabalho, comida sempre na hora, colaboradores competentes, momentos de paz. Ele tolerou o cansaço, a sede, a fome, a incompetência, a incompreensão, a oposição. E tudo isso quando poderia ter usado os recursos de sua sociedade missionária celestial para remediar a situação.

Só há uma exceção a esse padrão: o curioso incidente de Mateus 17.24-27, quando Jesus aparentemente faz um milagre para pagar o imposto do templo. O incidente indica uma atitude de desprezo diante da ganância dos dirigentes da religião oficial. A “necessidade” de sustentar a elite político-religiosa não se iguala à necessidade de comer depois de uma longa caminhada.

Não Sr. Tony eu não acredito no que o senhor está dizendo!

Do Blog do Rev. Miguel Uchoa (P. Anglicana do Espírito Santo)

Vejam o que leio no blog/veja.com de Tony Bellotto (trechos) o texto completo se encontra em  www.veja.com/tonybellotto

"Ave, Amy. Never mind the bollocks. E, por favor, NÃO descanse em paz. Imagino que descansar em paz não seja mesmo o seu ideal de uma eternidade perfeita.
...deixe que as palavras entrem por um ouvido e saiam por outro. Todas essas explicações que não explicam nada, o esmiuçamento obsceno da tua vida,... a avidez da mídia em sugar você até a última gota, a cafonice das homenagens póstumas...
Continue, por favor, a inspirar os jovens artistas com a sua irreverência e a sua recusa em se transformar numa cantora domesticada, dessas que fazem média com todo mundo e entretém a plateia como se tudo fosse uma questão de levantar os braços pra cima e bater palmas todo mundo cantando junto. Continue nos ensinando que a vida é mesmo incontrolável e sem sentido...
Então toda vez que ouvir uma música sua, vou fingir que você está vivinha da silva... Aqui em casa diremos às crianças – como se diz sempre que morre um parente, um amigo ou animal querido – que você foi fazer uma longa viagem e que não sabemos quando volta."
Por Tony Bellotto
Sr. Tony fiz meu comentário no espaço da veja e entre outras coisas disse que não podia entender como alguém que entendo ser esclarecido pode fazer uma homenagem desse tipo a alguém que não deixou legado de positividade, a alguém que levou consigo, para o túmulo uma vida vazia, confusa e em profunda e constante crise. 
Não Sr. Tony, não era apenas uma jovem artista irreverente, essa sem dúvida era uma marca dela, mas isso era pouco diante do que ele viveu, fez uso e defendeu abertamente em suas canções. 
Sr. Tony eu não posso entender que alguém assim tenha deixado exemplo ao ponto de ser uma inspiração para essa geração que já tem parte dela perdida e sem propósito na vida.
Sr. Tony a Amy, não era apenas uma cantora não domesticada, eu também acho isso horrível, gosto da irreverência do artista, mas não foi só isso. Em quem e em que nossos jovens se inspirarão? No uso de drogas, na dependência de uma alcoólatra, nos exemplos dos shows cancelados por falta de condições físicas devido ao uso excessivo do álcool e o domínio das drogas. Será irreverência Sr. Tony ou o nome mais apropriado seria irresponsabilidade?
Sabe Sr. Tony, eu não aponto meu dedo para ela simplesmente a culpando, não quero julgá-la porque por detráz de tudo aquilo e toda aquela vida existia muito mais do que uma simples irreverência. Somente ela e Deus podem saber o que era mais profundo em seu ser. Mas me admira o senhor, isso me chama a atenção.
Sr. Tony, pedir para que se continue ensinando que a vida é incontrolável e sem sentido? É isso que o senhor quer que seus filhos aprendam, é isso que você conversa no café da manhã com seus filhos ou netos? O Senhor ensina para eles, já que ela não poderá mais ensinar, que assim é a vida? O Sr. pode dizer às suas crianças o que quiser Sr. Tony, eu continuarei dizendo a meus filhos que lamentavelmente mais um talento musical se perdeu junto com Cazuza, Elis Regina, Elvis Presley, Jimmy Hendricks e outros mais. Porém esse talento não foi suficiente para dizer a eles mesmo que a vida vale mais do que apertar um baseado, cheirar uma fileira, entornar vários copos. 
Sr. Tony. a vida tem sim sentido, quando descobrimos que o sentido dela se encontra em descobrir o propósito para o qual fomos criados. Não acredito que o propósito para o qual essa jovem moça foi criada tenha sido fazer apologia de drogas e álcool e levar parte de uma geração a se afundar nessa alienação total.
Não Sr. Tony eu não posso, não quero e não vou esconder de meus filhos e netos que uma vida por mais talentosa que seja pode se perder se não encontrar sentido para ser vivida e a única maneira disso acontecer é um encontro pessoal com o criador através de Jesus Cristo.
Lamento Sr. Tony, mas custo a acreditar que é isso que você ensina aos seus filhos, netos e tenta passar para essa geração jovem que está diante de você. Sendo alguém com tanta visibilidade e acesso a mídia, creio que deveria, se me permite sugerir, encontrar uma maneira de ajudar essa geração a encontrar um norte, uma direção, um sentido para a  vida que não seja ficar levantando as mãos e acompanhando canções que confundem prazer com hedonismo e motivam frustrações maiores.
Desculpe Sr. Tony, mas não acredito que o senhor de fato vai dizer isso às suas criancinhas porque não acredito que o senhor queira para elas o mesmo lamentável fim  da Amy.


Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails