Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Não faça Deus perder tempo com você!



Por Hermes C. Fernandes, seu blog

É insensatez usar a soberania divina como álibi para isentar-se da responsabilidade. Se a salvação deve ser creditada tão somente ao Senhor (monergismo), suas implicações e desdobramentos requerem de nós boa dose de cumplicidade (sinergismo). Se não fosse assim, que outra interpretação poderíamos atribuir ao seguinte texto?:

“E nós, cooperando também com ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão.” 2 Coríntios 6:1

“Cooperação” requer, no mínimo, cumplicidade, interação. Era como se Paulo dissesse: Não ousem desperdiçar o que Deus fez por vocês! Ou ainda: Não sejam perda de tempo pra Deus! Vejam lá que destino darão àquilo que Deus lhes confiou!

Não se preocupem com a questão da glória, pois a mesma segue sendo exclusiva do Senhor. Mesmo o fato de cooperarmos de alguma maneira constitui-se numa obra da graça em nós. Com isso em mente, Paulo diz: “Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus, que está comigo” (1 Cor.15:10). A bem da verdade, sozinho, Paulo fez mais do que os doze apóstolos juntos. Porém, ele creditava tal façanha à graça nele operante. 

Uma graça que nos conduz ao ócio, não pode ser a graça de Deus! A mesma graça que nos inspira, também nos faz transpirar.

Noutra passagem, o mesmo apóstolo declara:

“Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.” 1 Coríntios 3:10-13

Sua responsabilidade era lançar o fundamento. Porém, era de competência exclusiva deles erigir sobre tal alicerce. Cada qual responderia por seu próprio edifício dentro do perímetro da cidade de Deus.

A responsabilidade começa no fato de ninguém poder lançar outro fundamento além do que já está posto. Não queiram reinventar a roda! Nem venham com conversa fiada de novas revelações. Nosso ‘lote’ na cidade celestial já veio com planta e alicerce. Foi Ele quem delimitou a área de construção e até número e o tamanho dos cômodos de nosso edifício espiritual. Porém, o prédio não se levantará sozinho. Temos que pôr a mão na massa.

Nosso trabalho começa pela escolha do material que será usado. Pode-se construir com material de primeira, como o ouro que encabeça a lista fornecida por Paulo. Mas também pode-se construir com material de péssima categoria, como a palha. A diferença entre eles é a durabilidade e a disponibilidade. É muito mais fácil encontrar palha do que ouro. Em contrapartida, o ouro resiste ao tempo, a palha não. Quem está pensando apenas em abrigar-se da chuva esperada no próximo verão, talvez se contente com uma choupana. Mas pra quem está pensando em algo que perdure por várias gerações, o ouro é a melhor pedida.

Escolhido o material, deve-se escolher quem será seu fornecedor.

Continua amanhã...

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails