Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Deixe que digam, que pensem, que falem…


Juliana Dacoregio, no seu blog
Quase todo mundo vive numa luta insana em busca de agradar. Todos tentando fazer o que acham que é esperado que façam ou sejam. E isso gera muita mágoa porque é impossível agradar sempre e nunca temos certeza do que os outros esperam de nós.
Em casa, no trabalho, na faculdade, na rua, até na internet, é como se tivéssemos uma imagem a zelar (e nem tô falando aqui de ‘imagem’ no sentido moral). É como se você tivesse que vestir um personagem em cada momento da vida. A cabeça fica rodando com questionamentos do tipo “o que vão pensar se?”. Um pensamento desses leva a algum lugar? Não, não leva. Só leva a uma prisão mental em que você é seu próprio algoz. Porque sempre somos nós mesmos que nos condenamos, que sofremos a pena. Se os outros nos julgam e nos condenam não há o que fazer sobre isso. Acontece e vai acontecer sempre. Mas se sofremos por isso é porque NÓS nos preocupamos com os julgamentos alheios.
As pessoas podem lhe apontar o dedo, mas é você quem vai escolher se abaixar ou não. Algumas críticas nos ajudam a crescer, mas a maior parte delas é lixo mesmo. Pouca gente está preocupada em lhe ajudar no seu crescimento. A maioria só tem mesmo é palpites sobre sua aparência, suas atitudes, seu trabalho, suas escolhas e como você deve viver sua vida.

Nessa de querer agradar, e sofrer quando não agradamos, só temos a perder. Não só porque vamos remoer opiniões imbecis, mas porque há pessoas ao nosso redor que querem nos conhecer do jeito que somos, que não se importam com as nossas falhas, com as nossas mancadas, que não querem só saber o que deu errado, mas querem saber o que deu certo (isso se quisermos contar, se não, elas se contentam em alegrarem-se com nossa alegria sem que tenhamos que explicar cada milímetro do que acontece em nossas vidas). Preste atenção naqueles que te amam sem julgamento e esqueça a história de dançar conforme a música para ser aceito em todos os bailes.
Até porque quando dançamos conforme a música, chega uma hora em que de repente estamos dançando sozinhos e ainda estão jogando tomates na gente. Sabe o que você faz? Pega esses tomates podres e atira de volta em quem tá jogando em você.

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails