Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

O papa Francisco volta a provocar os católicos

papaFRANCISCO

Publicado por Juan Arias, no El País
O papa Francisco, ao contrário de seus antecessores que mediam e pesavam as palavras, gosta de provocar. E não o faz através de pesadas encíclicas ou documentos pontifícios. Provoca os católicos nas ruas e praças, como há dois mil anos o fazia o profeta inconformista de Nazaré.
Sua última provocação ocorreu na quarta-feira passada conversando com os fiéis em Roma. Disse-lhes, como a coisa mais normal do mundo, que ao cristão que “não se considere um pecador” é melhor que “não vá à missa”.
Mais ainda, segundo Francisco, os que vão à missa para aparentar que “são melhores que os outros”, melhor que fiquem em casa. Não há espaço para eles na igreja.
Advertiu também, com humor, os fiéis para que quando forem à missa não façam “fofocas”, comentando, por exemplo, como está vestida a fulana de tal. Talvez se referisse às cerimônias de casamento. Francisco, quando era cardeal arcebispo de Buenos Aires, ironizava ao comentar que muitos católicos assistem a esse tipo de cerimônia sem se importar com a missa, e mais “como está vestida a noiva e as suas convidadas”.
O novo papa latino-americano está ressuscitando a Igreja do entendimento e da misericórdia após séculos de inquisição. Está pulando centenas de anos de teologia e doutrina patrística para levar a Igreja às suas origens, quando ainda não existiam tribunais de inquisição e quando no centro de tudo estava a teologia do perdão, e não a do castigo.
Até a chegada de Francisco, os pontífices mediam cada palavra e até suas encíclicas tinham que passar pela censura da Congregação para a Doutrina da Fé e do jornal oficial do Vaticano, L´Osservatore Romano.Não eram livres para dizer o que sentiam com espontaneidade.
Lembro de só um papa, João XXIII -pelo que dizem parecido com Francisco- que, quando visitava algum bairro pobre na periferia de Roma, ao falar improvisando, dizia com humor aos jornalistas que o acompanhavam: “Melhor que tomem nota, porque é possível que amanhã o que eu estou dizendo não saia publicado no L´OsservatoreRomano”. E era verdade -o censuravam.
Francisco surge quebrando velhos tabus. Não se sente de mãos atadas quando fala, nem se preocupa excessivamente com a possibilidade de suas palavras poderem ou não deixar de cabelo em pé certos teólogos conservadores.
Sente-se seguro porque ele fez um link com a Igreja primitiva, e mais ainda, com os textos bíblicos, antes de que fossem domesticados pelas diversas teologias ao longo dos séculos. A afirmação de que se um cristão não se sente pecador é melhor que não vá à missa não deixará de soar quase como uma heresia a muitos católicos conformistas.
No entanto, essa volta à ideia de uma Igreja não triunfante, não de justos e santos senão de pecadores, não de eleitos senão dos que buscam a piedade e a misericórdia, Francisco está resgatando dos evangelhos, dos ensinamentos diretos do profeta judeu.
Três passagens dos evangelhos de Lucas e João dariam plena razão à última provocação de Francisco. A primeira é quando é acusado pelos fariseus de ter ido com seus apóstolos comer na casa de um publicano, uma categoria considerada como de “pecadores”. Jesus aproveita a crítica feita pelos que se acham bons e diz: “Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento“, e acrescenta: “Os sãos não precisam de médico, mas sim os enfermos”. (Lucas 5, 27-32)
No mesmo evangelho (18, 9-14), aos que se consideravam justos (sem pecados) e “menosprezavam os outros”, propôs a seguinte parábola: dois homens foram rezar no templo, um era fariseu (justo) e o outro publicano (pecador). O fariseu, em pé, para ser visto melhor, rezou assim: “Ó Deus, graças te dou porque eu não sou como os outros, ladrões, injustos, adúlteros, nem como esse publicano aí. Eu jejuo duas vezes por semana e dou ao templo o dízimo de tudo o que ganho”.
Por trás dele, em um canto, o publicano pecador não ousava nem levantar os olhos e batia no peito dizendo: “Senhor, ajudem-me porque eu sou um pecador”. Jesus resume: “Digo-vos que o publicano voltou à sua casa justificado, e não o fariseu”.
No evangelho de João (8,2), um grupo de homens quis colocar à prova a fama de misericordioso de Jesus com os pecadores e levaram à força até ele uma mulher flagrada em adultério: “A lei manda matá-la (por apedrejamento). Tu, pois, que dizes?”. Queriam que Jesus se declarasse contra a lei judaica. Não sabemos o que respondeu, porque escrevia na terra do templo com o dedo, enquanto a mulher, humilhada, se encontrava jogada no chão, em uma cena que deixava enlouquecido o famoso cineasta ateu italiano Pier Paolo Pasolini, que me perguntava incrédulo: “Mas por que os apóstolos não se interessaram em nos contar o que Jesus escrevia?”.
Sabe-se apenas que quando Jesus propôs aos acusadores que atirassem a primeira pedra os que “estivessem sem pecado”, estes começaram a ir embora, “começando pelos mais velhos”. À mulher em pecado, Jesus pergunta: “Ninguém te condena? Eu tampouco, vai em paz e não peques mais”.
Os legalistas, incapazes de misericórdia, não perdoaram, no entanto, o profeta pelo seu gesto de misericórdia com a adúltera e o levaram à cruz ainda muito jovem.
Francisco está ressuscitando a Igreja que preferia perdoar que condenar, entender o coração humano em vez de anatematizar, convencido como está que a Igreja que, por exemplo, faz do confessionário (em expressão sua) um “local de tortura”, não responde à sonhada por seu fundador: uma Igreja que não condena ninguém e que deixa o julgamento final nas mãos de Deus, de quem dizia o profeta Isaías que é mais mãe do que pai.
Não parece Francisco, efetivamente, mais uma mãe que fecha os olhos às travessuras de seus filhos que um pai severo sempre disposto a castigar? “Quem sou eu para julgar um homossexual?”, disse aos jornalistas no avião de volta do Brasil.
Francisco está sendo severo só contra os que violentam os menores inocentes, isto é, contra os pedófilos dentro da Igreja. Bem mais que seus antecessores. E também nisso segue as impressões do mestre que chegou a pedir a pena de morte para quem escandalizasse as crianças. “Melhor seria que colocassem uma pedra de moinho no pescoço e o jogassem no mar”, disse a seus discípulos.
Francisco é, na verdade, o primeiro papa a surpreender desde o primeiro momento ao confessar com coragem: “Eu também peco”.
Quanto aguentará a Igreja tradicional essa revolução repentina?

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails