Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Os seres humanos são "pre-dispostos" a acreditar em Deus e na vida eterna

Publicado originalmente no Science Daily

http://2.bp.blogspot.com/_da_wH9UjvEs/S7FSjOv21kI/AAAAAAAAAH4/wPu2UmIHkFI/s400/luz+fim+tuneo.jpg
Fonte da imagem

ScienceDaily (14 de julho de 2011) - A três anos do projeto de pesquisa internacional, dirigido por dois acadêmicos da Universidade de Oxford, considera que os seres humanos têm a tendência natural de acreditar em Deus e na vida eterna.

Um projeto de £ 1.900.000 envolveu 57 cientistas que realizaram mais de 40 estudos separados em 20 países, representando uma gama diversificada de culturas. Os estudos (tanto analítica e empíricamente) concluem que os humanos são pre-dispostos a acreditar em Deus e na vida após a morte, e que tanto a teologia e ateísmo são fundamentados em respostas de um impulso básico da mente humana.

Os pesquisadores apontam que o objetivo do projeto não era para provar a existência de Deus ou de outra divindade, mas procurou saber se conceitos como deuses e vida após a morte parece ser compreendido integralmente ou expressões básicas da natureza humana

O Projeto de Pesquisa "A Cognição, Religião e Teologia" liderado pelo Dr. Justin Barrett, do Centro de Antropologia e da Mente da Universidade de Oxford, se baseou sua pesquisa em uma variedade de disciplinas, incluindo a antropologia, psicologia, filosofia e teologia. Eles dirigiram uma organização internacional de pesquisadores que realizaram estudos em 20 países diferentes que representavam tanto as sociedades tradicionalmente religiosas quanto atéias.


Os resultados deverão ser publicados em dois livros separados pelo psicólogo Dr. Barrett em "Ciência Cognitiva, Religião e Teologia" e "crentes nascidos: A Ciência da Religião da Infância".

Co-diretor do projeto, professor Roger Trigg, do Centro Ian Ramsey na Faculdade de Teologia da Universidade de Oxford, também escreveu um livro que será publicado, avaliando as implicações mais amplas da pesquisa à questões sobre a liberdade de religião com título "Liberdade, Igualdade e Religião (OUP)".

 Alguns dos resultados da Cognição, Religião e Teologia do projeto:

  • Estudos de Emily Reed Burdett e Justin Barrett, da Universidade de Oxford, sugerem que as crianças abaixo dos cinco anos de idade é mais fácil acreditar em algumas propriedades sobre-humanas do que compreender semelhantes limitações humanas. As crianças foram questionadas se sua mãe iria conhecer o conteúdo de uma caixa em que ela não podia ver. Crianças de três acreditava que sua mãe e Deus sempre sabe o conteúdo das caixas, mas a partir dos quatro anos de idade, as crianças começam a compreender que suas mães não vêem tudo e não sabem tudo. No entanto, as crianças podem continuar a acreditar que Deus tudo vê.

  • Experimentos envolvendo adultos, conduzido por Jing Zhu da Tsinghua University (China), e Emmons Natalie e Jesse Bering, da Queen's University, Belfast, sugerem que as pessoas em muitas culturas diferentes instintivamente acreditam que alguma parte de sua conciência, alma ou espírito estarão ligados após-morte. Os estudos demonstram que as pessoas são naturalmente "dualistas" aceitam mais facilmente a idéia de separação da mente e do corpo.

Diretor do Projeto Dr. Justin Barrett, da Universidade de Oxford do centro de Antropologia e da Mente, disse: "Este projeto não se propõe a provar que Deus ou deuses existemSó porque achamos mais fácil pensar em uma maneira particular não significa que é verdade de fato. Se olharmos que as crenças e práticas religiosas persistem nas sociedades de todo o mundo, podemos concluir que os indivíduos ligados por laços religiosos poderiam ser mais propensos a cooperar como sociedades. Curiosamente, descobrimos que a religião tem menos probabilidade de prosperar em populações que vivem em cidades nos países desenvolvidos, onde já existe uma forte rede de apoio social."


Co-Diretor do Projeto, professor Roger Trigg, da Universidade de Oxford Ian Ramsey Center, disse: "Este projeto sugere que a religião não é apenas algo peculiar para que poucos escolhem fazer aos domingos, em vez de jogar golfe. Reunimos várias evidência que sugerem que a religião é um fato comum da natureza humana através de diferentes sociedades. Isto sugere que as tentativas de suprimir a religião é provável que sejam de curta duração como o pensamento humano parece estar enraizada a conceitos religiosos, tais como a existência de agentes sobrenaturais ou deuses, e a possibilidade de vida após a morte ou a vida aqui mesmo".


Tradução própria, se copiar, cite a fonte.

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails