Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Sobre vender o corpo - cérebro, mãos, voz, sexo...

foto: Exposição Human Body

Osvaldo Luiz Ribeiro, no Peroratio

Um homem - e também mulheres - tem um cérebro absurdamente criativo: acima da média. Ele, então, ciente disso, e sabendo que o mundo "baba" por seu talento, vende-o: escreve livros, dirige blockbusters, esculpe Davis e Moisés, ergue pontes de 30 quilômetros, constrói estádios monumentais...

Olhamos para eles, que vendem o que tem, no corpo, de melhor, que, com o corpo - ou será com outra coisa, senhores? -, produzem objetos de desejo e vendem, e vendem-se, e vivem disso... e os achamos gênios...

Os cantores vendem a voz, a peso de ouro! Divas! Monstros! Milhões de discos - vendidos os discos e as vozes: corpo vendido... Cultura pop... inclusive gospel...

A mulher tem as coxas desejadas, a bunda desejada, os peitos desejados, o sexo desejado, a boca desejada: ela sabe disso, ela sabe que é objeto profundo e inamovível de desejo, e vende-se - posa para fotos, faz filmes, aluga o espaço de suas pernas. É puta, dizemos...

Curioso isso.

Vender as mãos para os patrões: homem decente, trabalhador. Vender o cérebro para o consumo viciado das massas, seja a elite, consumidora de Kafka - será? -, seja a massa, consumidora de tons de cinza e Paulo Coelho, é talento, é cultura, é genialidade...
Mas, (se) vende(r) o corpo que todo corpo quer, é puta...

Curioso...

Muito, muito curioso.

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails