Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

O sapo não lava o pé?


No Minorolândia

Ok, “o sapo não lava o pé” é o que falam. Mas é um fato? Porque isso é relevante? Todos não lavam o pé? Sem sono por conta deste mistério, decidi que primeiro deveria ir atrás de saberquem são os sapos, para então intuir suas preferências, entender as maracutaias faceiras que permeiam num subconsciente matreiro e, porque não dizer, anfíbio. Investiguei.

Comecei me aventurando pelo submundo da “night brejeira”, onde conheci sapos juvenis que me disseram que não lavam o pé porque “é muito da hora, velho hehe”. Eles bebiam e dirigiam com velocidades altas como seus sons. Parece que é algum tipo de transgressão para eles. Me apresentaram algumas sapas (de cópulas bem acessíveis) que não lavavam o pé porque “somos sapas descoladas e sempre nos demos melhor na turma dos machos, hehe. Os “pés-limpos” são muito trouxas, sabe hehe”. Opa! Então existem aqueles que lavam, pensei. Me incomodei quando vi algumas arrotando e rindo enquanto tiravam sarro dos higiênicos que passavam.

Segui os cheirosos e mais à frente encontrei algo que parecia ter uma cruz na porta. Lá, me responderam que “deve-se lavar o pé porque... porque... porque deve-se lavar o pé”. Porém, depois de umas taças eu saquei que muitos deles curtem também uma “sujadinha de leve”! Mas o fazem escondido uns dos outros. Por algum motivo acham que não convém abrir isso livremente ou repensar a tal lavagem, mesmo sabendo da realidade. Do lado de fora desse lugar, haviam os que não lavavam o pé apenas porque os de dentro falavam para lavar. Da rua, falavam que eram livres e que ninguém manipulava eles e que tudo não passava de uma mentira e que isso não os fazia menores, e que , e que, e que... Pra mim, eram escravos às avessas.
Corri dali porque saiam faíscas! Ofegante, parei sob uma árvore onde, no refresco de uma sombra, uma linda sapa sujava seus pés. Achei muito curioso! Prosseguindo com minha entrevista fui notando que ela era uma enviada limpaa um grupo de sapos sujos. Fazia isso pois, por achar que ter o pé sujo era um problema sem-tamanho, precisava literalmente se infiltrar nos enlameados para lava-los. Achei meio prepotente, mas...
Já estava cansado e resolvi voltar. No caminho, dois sapos bem velhos. Um bem sujo e outro bem limpo. Jogavam dominó, riam e se xingavam entre um gole e outro. Parecia que se conheciam desde quando o brejo ainda era preto e branco.

-Ei! Sendo um de pé lavado e outro não, como conseguem viver em paz?!

O de cá respondeu, de costas e ainda arrumando as peças.

-Esses girinos mimados já se acham sapos e gastam mais energia com o pé dos outros do que arrumando pares para um dominó. Fazem piadas e empobrecem a escolha dos outros como se sua opção de lavar ou não fosse a correta e verdadeira. Se munem de uma autoridade inventada ridicularizando os que vem do lado oposto e fecham-se em pequenos brejos que, posteriormente, acabam virando seu mundo inteiro. Seja para lá ou para cá, são fundamentalistas em suas posições e quando enchem-se de coragem, tornam-se absolutos e fechados enquanto reduzem o outro ao pé que tem. Investem em enviados com panca de sapos-heróis, cuja única missão é invadir outras lagoas e tornar como o teu, o pé alheio. Eu e este outro já enrugado aqui optamos por jogar dominó porque vimos mais lucro nisso...

Concluí que o relevante num sapo, não é se ele lava ou não o pé, mas com que ar de superioridade enxerga o outro que não lava, ou lava o pé. Me vi em alguns sapos e não gostei. Por achar que ainda estava em tempo, parei com a pesquisa e sentei para o dominó.

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails