Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Católicos e batistas celebram o Natal na cracolândia de SP

Católicos e Batista celebram o Natal na "Cracolândia", centro de São Paulo, onde viciados em crack montaram barracos Michel Filho / Agência O Globo
Católicos e Batista celebram o Natal na “Cracolândia”, centro de São Paulo, onde viciados em crack montaram barracos Michel Filho / Agência O Globo
Tatiana Farah em O Globo
SÃO PAULO – Católicos e batistas se uniram nesta quarta-feira para celebrar o Natal com os moradores de rua e dependentes químicos da chamada cracolândia, no centro de São Paulo. Os católicos fizeram um auto de Natal, representando o presépio do nascimento de Jesus, e os batistas apresentam um coral do qual fazem parte ex-moradores de rua atendidos pela igreja Cristolândia. O padre Julio Lancelotti celebrou uma cerimônia ecumênica e os religiosos distribuíram lanches, suco e panetone aos moradores locais.
Nos últimos meses, a ocupação da cracolândia tem crescido e avançado sobre as calçadas, com barracas e tendas habitadas geralmente por usuários de drogas. O padre criticou as medidas adotadas por todas as esferas de governo. Para ele, polícia e ações sociais e de saúde tentam lidar com o problema “em pedaços”.
— Não há solução mágica e imediatista. Assim como as pessoas não vivem em pedaços, não podem ser tratadas em pedaços, com uma ou outra ação. O Brasil tem que combater com clareza e firmeza o narcotráfico e não as pessoas que são vítimas dele – reclamou o padre Julio.
O padre disse temer por uma futura ação da prefeitura para a retirada dos moradores que passaram a ocupar as calçadas com as barracas.
— Nosso medo é que as pessoas sejam desalojadas sem nenhuma política (de realocação).
O auto foi organizado pelo padre João Pedro Carraro, coordenador da Missão Belém, que atua com os moradores de rua da cracolândia. De acordo com o padre, a missão, que existe há oito anos no bairro, atendeu em 2013 quatro mil pessoas.
— São 15 a 20 pessoas por dia que vão para as nossas casas. Eu posso dizer que 70% se salvou, conseguiu sair da rua — disse o padre João Pedro.
Já os coordenadores da Cristolândia afirmaram que já passaram por atendimento, em todo o estado, de 10 mil a 20 mil pessoas.

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails