Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Papa vira 'vilão' nos EUA após críticas ao capitalismo




Raul Juste Lores, na Folha de S.Paulo

O papa Francisco se tornou o mais novo vilão entre os conservadores americanos, depois de ter criticado a ganância e as desigualdades do capitalismo.

Na semana passada, o radialista Rush Limbaugh, ícone do movimento Tea Party, chamou-o de marxista.

"Ele tritura o capitalismo e a América, e o Obama tem orgasmos só de ouvi-lo", afirmou. O presidente havia citado o papa no dia anterior, dizendo que concordava com sua crítica contra a "distribuição de renda mais desigual".

Adam Shaw, editor da conservadora rede Fox News, disse que o papa é "o Obama do catolicismo". "Assim como a América se decepcionou com Obama, esse papa será um desastre para a igreja".

Sarah Palin, candidata republicana a vice-presidente em 2008, disse que o papa "parece marxista". Ela acaba de lançar um livro sobre "a guerra contra o Natal" provocada por "uma sociedade cada vez mais antirreligiosa".

USANDO A BíBLIA

O editor-chefe do blog The Dish, Andrew Sullivan, disse à Folha que "os evangélicos estiveram usando a Bíblia contra gays e contra o aborto. Agora, estão sofrendo do mesmo remédio, afinal a Bíblia do papa é a mesma, e ela prega a justiça social".

"Só quem não acompanha a igreja se surpreende com a fala do papa. João Paulo 2º já falava de ganância no capitalismo", diz.

A popularidade do papa ainda é alta no país: 78% dos católicos e 58% da população em geral têm visão positiva de Francisco, segundo pesquisa do instituto Pew. O comparecimento às missas, porém, continua o mesmo desde que ele se tornou papa, em março --39% dos católicos americanos vão semanalmente à missa.

A Igreja Católica americana brigou com o presidente Barack Obama por conta do plano universal de saúde aprovado por ele. Funcionárias de hospitais e colégios católicos terão direito à cobertura de tratamentos anticoncepcionais, como prevê o plano --a igreja pedia isenção dessa obrigação.

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails