Google+

"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história." Bill Gates

Compartilhe

terça-feira, 28 de maio de 2013

O Bom Travesti




E perguntaram a Jesus: “Quem é o meu próximo?“ E
ele lhes contou a seguinte parábola:
”Voltava para sua casa, de madrugada, caminhando
por uma rua escura, um garçom que trabalhara até
tarde num restaurante. Ia cansado e triste. A vida de
garçom é muito dura, trabalha-se muito e ganha-se
pouco. Naquela mesma rua dois assaltantes
estavam de tocaia, à espera de uma vítima. Vendo o
homem assim tão indefeso saltaram sobre ele com
armas na mão e disseram: “Vá passando a carteira“.

O garçom não resistiu. Deu-lhes a carteira. Mas o
dinheiro era pouco e por isso, por ter tão pouco
dinheiro na carteira, os assaltantes o espancaram
brutalmente, deixando-o desacordado no chão. Às
primeiras horas da manhã passava por aquela
mesma rua um padre no seu carro, a caminho da
igreja onde celebraria a missa. Vendo aquele
homem caído, ele se compadeceu, parou o caro, foi
até ele e o consolou com palavras religiosas: “Meu
irmão, é assim mesmo. Esse mundo é um vale de
lágrimas. 

Mas console-se: Jesus Cristo sofreu mais
que você.“ Ditas estas palavras ele o benzeu com o
sinal da cruz e fez-lhe um gesto sacerdotal de
absolvição de pecados: “Ego te absolvo...“ Levantouse
então, voltou para o carro e guiou para a missa,
feliz por ter consolado aquele homem com as
palavras da religião. Passados alguns minutos,
passava por aquela mesma rua um pastor
evangélico, a caminho da sua igreja, onde iria dirigir
uma reunião de oração matutina. 

Vendo o homem caído, que nesse momento se mexia e gemia, parou
o seu carro, desceu, foi até ele e lhe perguntou,
baixinho: “Você já tem Cristo no seu coração? Isso
que lhe aconteceu foi enviado por Deus! Tudo o que
acontece é pela vontade de Deus! Você não vai à
igreja. Pois, por meio dessa provação, Deus o está
chamando ao arrependimento. Sem Cristo no
coração sua alma irá para o inferno. Arrependa-se
dos seus pecados. Aceite Cristo como seu salvador e
seus problemas serão resolvidos!“ O homem gemeu
mais uma vez e o pastor interpretou o seu gemido
como a aceitação do Cristo no coração.

 Disse, então,
“aleluia!“ e voltou para o carro feliz por Deus lhe ter
permitido salvar mais uma alma. Uma hora depois
passava por aquela rua um líder espírita que, vendo
o homem caído, aproximou-se dele e lhe disse: “Isso
que lhe aconteceu não aconteceu por acidente.
Nada acontece por acidente. A vida humana é
regida pela lei do karma: as dívidas que se contraem
numa encarnação têm de ser pagas na outra. Você
está pagando por algo que você fez numa
encarnação passada. Pode ser, mesmo, que você
tenha feito a alguém aquilo que os ladrões lhe
fizeram. 

Mas agora sua dívida está paga. Seja,
portanto, agradecido aos ladrões: eles lhe fizeram
um bem. Seu espírito está agora livre dessa dívida e
você poderá continuar a evoluir.“ Colocou suas
mãos na cabeça do ferido, deu-lhe um passe,
levantou-se, voltou para o carro, maravilhado da
justiça da lei do karma. O sol já ia alto quanto por ali
passou um travesti, cabelo louro, brincos nas
orelhas, pulseiras nos braços, boca pintada de
batom. 

Vendo o homem caído, parou sua
motocicleta, foi até ele e sem dizer uma única
palavra tomou-o nos seus braços, colocou-o na
motocicleta e o levou para o pronto socorro de um
hospital, entregando-o aos cuidados médicos. E
enquanto os médicos e enfermeiras estavam
distraídos, tirou do seu próprio bolso todo o
dinheiro que tinha e o colocou no bolso do homem
ferido.”

Terminada a estória, Jesus se voltou para seus
ouvintes. Eles o olhavam com ódio. Jesus os olhou
com amor e lhes perguntou: “Quem foi o próximo
do homem ferido?“

Rubem Alves

Compartilhe no Facebook

Related Posts with Thumbnails